segunda-feira, 15 de outubro de 2018

O QUE É O ANTI-PETISMO?



Estamos em pleno segundo turno, e as expectativas não são das melhores. A grande massa da população, e especialmente as classes populares, está totalmente imersa no mundo das fake News. A classe média, isolada em sua própria bolha de relações sociais, bem como no Facebook, não tem ideia do que está acontecendo. O principal fato que precisamos compreender, se ainda quisermos ter alguma esperança sobre um Brasil melhor, é a construção do anti-petismo.

Este sentimento que domina avassaladoramente a grande maioria da população brasileira não é simplesmente uma crítica ao PT. Eu não sou nem nunca fui filiado ao PT, logo não tenho interesse direto em sua defesa. Meu partido sempre foi e sempre será a sociologia crítica de qualidade. É em nome dessa que tento escrever. O sentimento anti-petista é, sobretudo, contra o Brasil e principalmente contra os mais pobres. É uma construção que deve ser posta em grande medida na conta da Rede Globo, mas não apenas. Desde a farsa do mensalão, que atribuiu ao PT toda a corrupção intrínseca a todo o capitalismo é que a Globo, refletindo a opinião e a vontade de boa parte de nossa elite, vem construindo sistematicamente o anti-petismo anti-brasileiro. Todo mundo sabe que outros políticos, com motivos muito mais evidentes, deveriam estar na condição que Lula se encontra neste exato momento.  

Depois veio o Golpe etc etc. Não precisamos ser repetitivos aqui. O fato é que hoje Bolsonaro nada de braçadas nesta construção ignorante que vai jogar o Brasil no abismo. Não, não foram simplesmente erros do PT que nos jogaram nisso etc etc. A conversa é bem mais complexa do que a discussão conjuntural sobre partidos, que infelizmente tomou boa parte de nossas forças, nos dividindo entre a candidatura do PT, único partido com capital político suficiente para enfrentar Bolsonaro, e a candidatura de Ciro Gomes, que de repente vira “esquerda”, como se tivesse um grande projeto nacional, como se isso fosse totalmente novo etc etc. Inclusive, espero que agora fique claro quem é esse moço, tirando férias na Europa enquanto o circo pega fogo. Grande ato de patriotismo. Postura semelhante à de FHC e de muitos outros que, posando de centrão, surfando na onda de não participar dos extremos, construídos pela Globo, Veja, Isto É etc, não querem se comprometer com o que está prestes a acontecer e automaticamente abrem mão do Brasil.

O resultado de tudo isso é catastrófico. Bolsonaro é o único político carismático que surge no Brasil depois de Lula, que seria o único capaz de enfrenta-lo. Não, a culpa não é novamente do PT etc etc etc. O que está em jogo não é a autocrítica que o PT deveria fazer, mesmo por que ela agora está sendo feita estrategicamente por Haddad. O buraco é bem mais embaixo. Bolsonaro mobiliza com maestria a moralidade do povo brasileiro da maneira mais maldosa possível. Ele apela para a questão da violência exatamente por que nosso povo está acuado, com medo, sofrendo as mazelas da generalização da precariedade do capitalismo contemporâneo, que afeta principalmente os países periféricos. Eu mesmo já fiz uma análise acadêmica deste tema. A questão da violência, distorcida e minimizada, substitui a questão do enfrentamento da desigualdade, esta que foi a chave moral com a qual Lula conseguiu conversar com a população. Nos dois casos, o contexto global favorece a construção de uma linguagem política nacional. Nós trocamos Obama e Lula por Trump e, espero estar errado, Jair Bolsonaro. É trágico. Faltam forças para continuar escrevendo. Mas precisamos retomar o fôlego e tentar compreender o que está acontecendo.

Todo contexto político necessita de narrativas. A única narrativa política que se construiu no Brasil desde que Lula foi eleito é o anti-petismo. Me apresente outra se alguém a tiver. A tese de que a culpa é do próprio PT é muito frágil. Inclusive, acho triste que colegas inteligentes se apeguem a esta tese. Todo partido ou grupo político comete erros, revê estratégias, precisa compor com um bando de crápulas sangue sugas sem os quais se não se governa em nenhuma democracia moderna. A ciência política tem um nome para isso e se chama “governabilidade”. Basta estudar um pouquinho para entender. Diante da colcha de retalhos que é o cenário político de um país gigantesco como o Brasil, com interesses locais diversos, com investimentos do capital financeiro mandando até o fundo de nossas almas, considero muita tosqueira intelectual por a culpa em um partido e nos seus erros. Não, é preciso compreender a estrutura da política brasileira, sua relação com a estrutura social de nossa desigualdade, bem como o entrelaçamento sistêmico entre tais estruturas e o capitalismo financeiro globalizado. Não, não é tudo culpa do PT.

Diante disso tudo, é preciso compreender o sentido profundo do anti-petismo. Ele é um monólogo, uma narrativa única. Ele nos tirou todo o direito de fala, nos podou do debate, se aproveitou de toda a nossa fragilidade social, que se resume em um apartheid de classe. Não convivemos juntos enquanto classes sociais. Não dialogamos. Sequer temos noção de como os mais pobres estão oprimidos. Observei as pessoas na fila quando fui votar e a constatação é simples: elas não aguentam mais. A precariedade no Brasil é tanta que uma grande parte da população passa fome, é subnutrida, e outra grande parte está bem próxima disso. Este é o Brasil pós Lula e pós PT. Ao mesmo tempo, a ciência social resumiu o debate ao sistema político e à sua lógica intrínseca. Está errado. Simplesmente esquecemos a sociedade. É dela que emana toda a angústia manipulada por Bolsonaro.

Esta parte me dá uma tristeza profunda. Está claro que os mais oprimidos e enganados vão pagar esta conta, e vão pagar muito caro. Até o problema chegar na classe média, preocupada se vamos perder nossos concursos etc, nós já moemos milhões de pessoas, na máquina do capitalismo, como dizia Darcy Ribeiro. Sim, é uma maquina de moer gente o sistema no qual vivemos, e figuras como Trump e Bolsonaro apertam o botão “turbo” desta máquina, simples assim. Não há tempo para ilusões. As declarações nacionalistas do capitão apenas omitem seu entreguismo. A maldade de sua manipulação moral de nosso povo mais oprimido é tanta que mobiliza aquilo que mais toca nas pessoas. Primeiro, a questão da segurança, depois a da família. Aqui também precisamos parar e fazer uma análise.
A linguagem pós-materialista, defensora dos direitos humanos, da liberdade sexual, da tolerância racial e religiosa, tão importante para o avanço moral do mundo, não diz absolutamente nada a grande massa das classes populares. E não, não é por que as pessoas são burras. É por um fato muito simples. Estas pessoas ainda estão imersas em suas preocupações materiais mais imediatas. Dai o fato de a linguagem do combate a violência e do fortalecimento da família estabelecer um elo inquebrantável entre o capitão e o povo. Sim, ele sabe muito bem o que está fazendo. E nós, intelectuais, classe média, etc, ficamos dando com os burros n’água, perdendo tempo decidindo entre PT e Ciro. Quem continua incomodando é o PT. Do contrário, não existiria o monólogo da narrativa anti-petista. Sim, é a única linguagem, a do capitão, que agora adestra com maestria seu exército. A lógica do exército é obedecer, burocraticamente, sem questionamento, roboticamente, sem reflexão, como no filme Tropa de Elite. É ir pra guerra e confiar em seu capitão. A metáfora não poderia ser melhor e pena que não é só metáfora, é a vida real da maioria da população brasileira que, neste exato momento, cegamente, obedientemente, como um bom exército, confia em seu capitão e em suas táticas. O capitão Nascimento, aquele da ficção, que foi estimulado em todos nós pelo pseudo crítico filme Tropa de Elite, agora é real, saiu das telinhas, deixou de ser brincadeira. Sim, nunca foi brincadeira. Não se brinca com o sentimento das pessoas. Aliás, se brinca sim, e o capitão sabe fazer isso muito bem. Como na guerra, todo mundo sabe que os soldados morrem primeiro, põem seus corpos no front de batalha para proteger o capitão, que monta suas táticas e vai muito bem, obrigado.

Entretanto, uma diferença crucial entre a metáfora do exército e a situação atual do povo brasileiro é que, de alguma forma, o soldado na guerra é motivado por valores e sabe que pode morrer. Nosso povo está acreditando no contrário. Infelizmente, países de modernidade periférica e profunda desigualdade estrutural como o Brasil tendem a possuir um imaginário salvacionista em relação aos seus políticos. Dai a raiva de Lula e o descrédito com ele, a decepção, por achar que o presidente resolveria todos os problemas do mundo. Não, isso não é real. Um presidente e seu partido, por mais de esquerda que seja, faz o que pode diante de forças antagônicas que regem a sociedade, seus recursos materiais e simbólicos. Não, nem o bem-intencionado Boulos salvaria o Brasil com uma penada, por que isso não é real. É um mundo de fábulas. O mundo da vida real é regido por forças em conflito, interesses distintos, e precisa lidar com eles. É exatamente o que um candidato moderado poderia fazer neste exato momento, se o povo não estivesse mais uma vez iludido com o nosso imaginário salvacionista, maldosamente mobilizado pelo capitão. Não por acaso, as soluções dele são como um passe de mágica. Um presidente de pulso forte vai combater o crime. Como o capitão Nascimento, como a tropa de elite. Mas não, na política não é assim. Como muito bem definiu o grande Michel Foucault, a política é a guerra por outros meios. Logo, é preciso diálogo, manejo, reflexão, trânsito entre os vários grupos políticos, ou seja, o que um candidato moderado poderia fazer.

Mas seria pedir demais ao nosso povo para fazer esta reflexão. O povo perdeu a paciência, e com toda a razão. Também seria um grande equívoco culpar o povo por isso. Não, não é assim, e existe sim um culpado. A situação tem que ser posta na conta da elite nacional, insensível, entreguista, antipatriota. E também em grande medida na conta da parte da classe média bate-panela, que, depois do povo, também vai pagar, aliás, de forma sadomasoquista já vem pagando desde o golpe, que poupou apenas a elite.
Não, isto não é senso comum do sociólogo chateado em seu desabafo. Não me apego ao fetiche de teorias mega abstratas, tanto na economia quanto na sociologia. Me apego aos autores que conseguiram me explicar com clareza o mundo no qual vivo, como tento agora fazer neste texto. Dentre eles, o que mais me ensinou nos últimos anos foi o norte-americano Wright Mills. Este grande pensador dedicou um de seus grandes livros ao que definiu como a elite do poder. Em resumo, ele percebeu, já nos Estados Unidos dos anos de 1950, que a elite são aquelas pessoas que ocupam os principais postos nas principais instituições do Estado, do mercado e, especialmente naquele momento, do exército. Atualizando para o Brasil, precisamos incluir aqui a mídia e o campo jurídico. Por ocuparem tais posições privilegiada de poder, estas pessoas tomam decisões que afetam todo o restante da população. Como não tem limites em sua ação, se tornam pessoas mimadas, narcísicas, sem caráter, salvo raras exceções que não se contaminam pela moralidade ou melhor, pela imoralidade corrupta das altas rodas, como explicou Wright Mills, que naturalizam o sistema, como fica claro em falas de vários empresários enjaulados pela farsa da lava-jato. Não, não se trata apenas de um partido. Uma leitura atenta do grande Wright Mills, que eu não teria espaço para reproduzir aqui, deixa claro que não se trata de Brasil ou América Latina, mas sim da natureza moderna de qualquer elite capitalista. Não, não é senso comum, é a análise de um dos maiores sociólogos que o mundo já teve.

Por fim, uma palavra de alento. Ainda não acabou, e temos alguma chance de virar este jogo. É preciso diálogo com tolerância, sem agressões. Nenhum vínculo afetivo, família ou amizade, deveria se esfacelar com o canto da sereia do capitão. É preciso que conversemos com as pessoas, principalmente as indecisas, sobre o projeto econômico obscuro do capitão. Não se trata apenas dos direitos das relações homoafetivas, negros, mulheres e etc. O buraco é mais embaixo. O capitão não gosta da classe trabalhadora. Como no Titanic, conduz o navio para a tragédia, contendo a bordo apenas um bote salva vidas para a elite, enquanto a maioria dos tripulantes segue inebriada com a música de fundo. O projeto obscuro, escondido pelo apelo cruel aos sentimentos mais profundos do brasileiro envolve um aprofundamento do governo Temer, a não reversão da reforma trabalhista, que deixa o trabalhador totalmente vulnerável diante do patrão, uma reforma da previdência que não beneficiará os trabalhadores, o aumento de facilidades para os grandes grupos empresariais e também as privatizações, ainda que ele ande confundindo a população quanto a este ponto.

Se a história tomar mesmo o rumo que parece estar tomando, só nos restará a resistência, inteligente, com música e poesia. Sim, muita poesia, arte, amor e sensibilidade que parece ser o que está faltando neste mundo. Mas também com atitudes políticas inteligentes, resistência tática, movimentos sociais que não joguem a toalha diante de um mal maior que parece nos afligir. A reação terá que vir do espírito, de dentro, do fundo da alma. A história, esta nossa grande incógnita, parece nos enganar as vezes, mas ela mesma apresenta uma luz no fim do túnel. Não dá pra achar que as forças progressistas ganharão sempre. Mas também não podemos titubear e entregar-nos ao mal, sem resistência. Muita força nesta hora, é o que desejo a todas as brasileiras e brasileiros. No fim, só resta o pensamento livre. Haddad haver uma alternativa, para não Jair nos acostumando com o que há de pior.





sexta-feira, 13 de abril de 2018

O MECANISMO DE DISTORÇÃO DA VERDADE NO BRASIL


A série “O mecanismo”, de José Padilha, que está bombando na Netflix, é um perfeito exemplo de como se distorce sistematicamente a verdade sobre o Brasil, tanto na academia quanto na arte, operando-se uma perfeita divisão do trabalho. Vou reconstruir um breve histórico deste conhecido cineasta, para que possamos entender o que esta série realmente representa.
Desde o seu documentário “Ônibus 174” (2002), sobre o conhecido episódio envolvendo o garoto de rua protagonista da tragédia, que Padilha não me convence. Quem quiser ter acesso a uma análise realmente crítica deste episódio pode assistir ao filme “Última parada 174” (2008), de Bruno Barreto que, apesar de ser uma ficção, e não um documentário, como fez Padilha, tematiza de fato o que aconteceu na história de vida do menino Sandro. Primeira lição a se aprender: nem sempre um documentário é crítico.
Neste belíssimo filme, Bruno Barreto deixa claro, com fineza sociológica rara, as razões que levaram o menino Sandro a se tornar um adulto tolo e protagonizar a tragédia do referido ônibus. Não recontarei a história, pois é bem conhecida. A análise do filme, baseado em fatos reais, mostra com clareza a história de vida do menino: sua mãe, uma batalhadora dona de um bar na comunidade em que moravam, é assassinada brutalmente durante um assalto em sua presença. O menino começa a vagar, não pára na casa de nenhum parente e, sem destino, enlouquece e vai morar nas ruas do Rio de Janeiro. Paralelamente, o filme mostra a vida de um outro menino Sandro, da mesma idade que, criado por um traficante, desenvolve todas as disposições e a inteligência necessária para o crime. Contrário a ele, o Sandro do ônibus se torna um garoto de rua que é essencialmente um tolo. Esta é a moral da história: um garoto de rua não tem metade da sagacidade de um traficante, e o seu destino é ficar vagando e cometendo pequenos delitos no centro da cidade. Ou seja: o garoto de rua é um exemplo perfeito do que o abandono social pode causar a uma pessoa. Quando esta pessoa comete algum delito que afeta a “boa sociedade”, logo ficamos apavorados.
Moral da história: é assim que se usa a arte para se tematizar criticamente as razões dos problemas sociais. É preciso que se mostre claramente, sem ambiguidades e floreios, a origem real dos problemas, como faz o filme. É preciso que se tenha uma didática clara e direta para o público. Esta certamente não é a marca de Padilha. Já no primeiro “Tropa de Elite”, baseado em livro de relatos escrito por Luiz Eduardo Soares e parceiros, ele deixa ainda mais claro a que veio. A trama do filme é simples: apenas uma tropa muito bem treinada para uma guerra, com razões morais que motivam seus membros a darem sua vida pela causa, pode enfrentar o crime no Brasil. A velha tese acadêmica de que a desigualdade no Brasil é uma questão de polícia não podia ser melhor requentada e apresentada ao público como distração.
Em resumo, a questão central do filme, reforçada por sua estética, é que uma tropa de homens bons e honestos vai enfrentar o crime para salvar a boa sociedade. O sentimento mobilizado pela estética do filme é a vontade de ver o crime exterminado a qualquer custo. Por isso não é crítico. A arte tem o poder de mobilizar imediatamente os corações das pessoas. Por isso, deve ir direto ao ponto. Em nenhum momento o filme questiona o fato central de nossa desigualdade, que tem a ver diretamente com a violência no Brasil: o fato de que homens moralmente desqualificados e excluídos de outras possibilidades de trabalho distinto vão encontrar no batalhão sua única chance de receber algum prestígio e status. Para tanto, o preço é matar muitas vezes um primo ou irmão, do outro lado do front da batalha (há relatos verídicos sobre isso), para com isso defender a classe média e a elite da violência mais imediata do cotidiano.
Novamente, fica a sugestão: para quem quiser ver um filme realmente crítico sobre o drama da guerra e de como ela destrói a alma dos envolvidos, basta ver o belíssimo “Nascido para matar” de Stanley Kubrik. Este sim, tematiza como o treinamento indigno, apenas caricaturado no Tropa de elite que “mostra”, mas não “analisa”, mobiliza os sentimentos e valores dos envolvidos. No filme, um dos soldados, que não tinha preparo físico e emocional para o treinamento, como muitos não tem, acaba se apaixonando pela própria arma, e no final aniquila seu treinador, que era seu algoz.
No Tropa de Elite 2, nosso querido cineasta vai ainda mais longe. Como o próprio sub-título do filme sugere, “O inimigo agora é outro”. O já consagrado herói nacional, Capitão Nascimento, agora “cai para cima” e vai trabalhar na inteligência do combate ao crime. Descobre logo de cara o “sistema”. Moral da história: a polícia deve combater a política. Uma análise que fiz na época sobre o Tropa 2 pode ser lida aqui: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/viewFile/11629/6704.
Mais uma vez, o filme tem uma onda crítica. Aqui não podemos confundir o uso dos fatos com a capacidade crítica da arte, pois é exatamente o que ocorre agora no “Mecanismo”. Não por acaso, o Tropa 2 é lançado em pleno início de segundo turno das eleições para presidência, em 2010, na qual Dilma venceu Serra. Um dado ingênuo: a última cena do Tropa 2 é uma imagem sobrevoando o palácio do planalto. O tema do filme, adivinhem: combate a corrupção, que neste caso é só no Estado.
Por fim, temos agora o “Tropa de Elite 3”, pois não se trata de outra coisa esta série “O Mecanismo”. O inimigo continua o mesmo: a política em si e todos os políticos, pois todos são corruptos. Este é o discurso adotado pelo diretor. Não por acaso, a série se atualiza em alguns aspectos: agora o problema do Brasil é mais complexo e apenas a casta jurídica, isenta, pode enfrentar a corrupção, “nosso câncer”, como é enfatizado na série. A estética é a mesma: o combate ao crime organizado, de colarinho branco. A polícia, mais inteligente, preparada, séria e isenta: a federal. Temos alguma esperança: algumas pessoas de bem ainda acreditam na guerra contra os criminosos. Falta apenas falar de um detalhe nesta história toda: a política corrupta é apenas a ponta do iceberg de um “sistema” um pouquinho maior...Só não posso garantir ao leitor que uma série realmente crítica sobre ele passará na Netflix.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

BRASIL, 2018: O QUE FAZER?


Faz tempo que venho pensando em escrever um texto sobre a situação brasileira atual. Tenho me perguntado o que há realmente de novo na novela que temos presenciado. Somos bombardeados cotidianamente por uma quantidade de informações, verdadeiras e falsas, que mal damos conta de ler. Estamos acelerados, como muito bem analisou o sociólogo alemão Hartmut Rosa. A dinâmica do Whats App, nos sufoca todos os dias com uma série de informações que mal damos conta de absorver. Desnecessário dizer que, assim como muitos de nós, já abandonei a leitura de alguns canais da mídia oficial faz tempo. Desde o episódio inicial da novela envolvendo Joesley Batista e Michel Temer, tomei um nojo profundo e irreversível do jornal o Globo. Dizer isso não é muita novidade, mas pelo menos me permite compartilhar um sentimento que tenho certeza ser de muitos.

Tudo isso é um sintoma de que devemos ser cada vez mais seletivos. Existe hoje uma meia dúzia de revistas e blogs de esquerda que ainda merecem ser lidos. Articulado a isso, devemos ter cautela com uma distorção sistemática da realidade que se opera neste exato momento de forma muito sutil. Alguns escritos da escola de Frankfurt sobre a indústria cultural nos ensinam a compreender como este mecanismo funciona. A mídia oficial trata de todos os temas importantes da realidade de forma pseudo-crítica. Ela cria uma estética banalizante, grotesca e caricatural das questões que realmente importam. Seus executivos não dormem. Isso não é especificidade do Brasil. A bela análise de Adorno e Horkheimer sobre a indústria cultural e a sociedade de massas estão em consonância com a análise de Wright Mills, em seu grandioso livro “A elite do poder”, escrito nos anos 50.

Nesta obra magnífica, esquecida entre nós, Mills também analisa, brilhantemente, o fenômeno da sociedade de massas, sem o qual não se compreende o poder ilimitado alcançado pela elite no capitalismo americano, símbolo do que viria a ser o paradigma da realidade capitalista em todo o mundo pós-segunda guerra mundial. Para ele, o poder, o prestígio e o status ilimitado da elite americana, que naquele momento se encontra ocupando os mais altos postos institucionais do Estado, do mercado e da esfera militar, algo de dimensões inéditas na história, só se explica pela desconexão total entre a vida isolada desta elite e a vida comum das classes populares. Esta desconexão completa entre dois mundos sociais totalmente distintos, ou seja, a realidade das “altas rodas” das elites, escondidas em seus restritos milieus sociais, e a vida comum da massa, possui para o autor uma série de razões. A classe média, enquanto isso, vive no meio destes dois mundos, horrorizada pela possibilidade de ficar presa na parte de baixo desta sociedade do tipo “Titanic social”, ao mesmo tempo em que sofre sistematicamente o desprezo da elite, que nunca a aceita em seus círculos restritos. A análise desta tragédia existencial da classe média foi magistralmente analisada por Mills em seu livro anterior, não menos instigante, o White Collar (em português, “A nova classe média”), no qual percebe a ambivalência sociológica e psicológica (como diria Robert Merton) de uma classe média que emerge principalmente pela instrução formal.

O nó da questão, para Mills, nestes seus dois grandes livros, não é meramente descrever o fato empírico do surgimento de uma nova estratificação social nos Estados Unidos. O que está em jogo aqui é o surgimento de uma nova sociedade que possui uma cultura específica, resumida nos termos do autor como sendo forjada a partir de uma “psicologia social das elites”. Para ele, as elites não possuem apenas interesses políticos e econômicos em comum, mas também, e isso parece o mais importante de tudo, uma afinidade afetiva e psicológica. Este tema, inclusive, preocupou todos os grandes sociólogos e escolas sociológicas da geração de Mills. Basta dar uma olhada rápida nas principais obras e autores das Escolas de Frankfurt e Chicago, bem como do funcionalismo estrutural. Apenas Mills, entretanto, colocou o tema em termos claros e incisivos em relação às classes sociais. A grande sacada do autor, nesta direção, foi perceber que a unidade afetiva das elites faz com que seus membros se percebam e atuem como parceiros impessoais na tarefa, auto-atribuída, de dominação e condução do mundo. Não é outra coisa que se confirma, por exemplo, lendo a biografia de um Marcelo Odebrecht.

A principal lição que extraímos destes dois livros de Mills é a seguinte: a cultura capitalista construiu a sua própria narrativa de mundo, prometendo a todas as pessoas um horizonte e um destino a se perseguir. O fio condutor dos dois livros é que a busca incessante, vazia existencialmente e insana por poder, prestígio e status se constitui como a grande meta moral da vida capitalista, incorporada e exemplificada principalmente por suas elites e imitada de perto pela classe média. Um aspecto decisivo desta análise se encontra no fato de que o mundo das celebridades, ao qual Mills dedica um dos capítulos mais impressionantes de seu “Elite do poder”, exerce a função sistemática na mídia de parecer ser o mundo dos ricos, enquanto o verdadeiro mundo destes, no qual todas as decisões que influenciam na vida de milhões de pessoas são tomadas, nunca é apresentado de fato ao grande público. Qualquer semelhança com a rede Globo e com a estética da Netflix, mundialmente difundida, não é mera coincidência.

Por fim, Wright Mills encerra este grandioso livro com uma análise da “alta imoralidade” que corrompe todos os círculos das altas rodas, nos conduzindo a uma leitura sobre os Estados Unidos dos anos 50 que mais parece o Brasil em 2018. Nesta, deixa claro que a corrupção não é peculiaridade da cultura dos países latino-americanos, mas sim um traço inerente de toda a cultura capitalista, a começar pelos Estados Unidos, que naquele momento se apresenta como vanguarda desta cultura universal. A alta imoralidade das elites, neste sentido, significa a predominância de um espírito iletrado e a dominação de homens cuja motivação única é a busca pelo poder e pelo dinheiro. Qualquer semelhança com o Brasil atual não é mera coincidência, nem especificidade nossa.

No Brasil, Jessé Souza vem realizando com muita propriedade uma análise semelhante, tanto sobre a imoralidade de nossas elites quanto sobre a submissão interesseira da classe média, articulada à primeira, considerando, entretanto, as especificidades do Brasil atual, diante deste cenário maior da cultura capitalista. Não por acaso, seu atual livro “A elite do atraso” já é um best-seller, por razões evidentes. Neste, Souza identifica com maestria a origem de nossa elite de rapina na cultura da escravidão, aquela mesma que Joaquim Nabuco em seu tempo descreveu como a principal marca da alma brasileira, antecipando várias teses de Gilberto Freyre, cinquenta anos antes da publicação de Casa Grande & Senzala. Desde seu premiado livro anterior, “A radiografia do golpe”, Souza tem mostrado com precisão como um grande acordo de nossas elites, incluindo o mercado, o Estado a mídia e o judiciário deu o tom para a constituição da crise brasileira atual, posta na conta do PT. Em seu livro atual, ele vai além e procura mostrar como a nossa elite do atraso possui uma lógica própria pelo menos desde a década de 30, tendo como traço comum o fato de sempre conseguir elaborar um grande acordo, incluindo a classe média comprada e submissa, contra as classes populares, mantendo em poucas mãos o domínio das instituições e de todos os recursos materiais e simbólicos necessários para a manutenção intacta de nossa desigualdade. Qualquer semelhança com o cenário norte-americano descrito por Wright Mills nos anos 50 não é, infelizmente, mera coincidência.

Diante disso, o que esperar do Brasil em 2018? Escrevo este texto antes do julgamento de Lula, marcado para o final de janeiro, provavelmente o capítulo final de nossa “House of cards” tupiniquim. Se ele será condenado ou não, em certo sentido, não faz diferença para esta reflexão. O legado de esquerda representado por ele, apesar de todas as críticas positivas que sempre recebeu e a despeito de todas as críticas negativas e desnecessárias, precisa sobreviver, independente do amor ou ódio que tenhamos à sua figura. Não é o Lula quem realmente precisa vencer as eleições, o que não significa que eu não deseje isso, mas sim o legado de esquerda que por muito tempo ele representou. Assim como muita gente sensata, não desejo sua condenação por razões que têm sido exaustivamente discutidas entre nós. Sabemos que não é justa. Sabemos que é fruto da loucura das elites descrita por Mills. Sabemos que é fruto do poder ilimitado adquirido por elas, não apenas no Brasil, mas em todo o capitalismo. Sabemos que uma elite internacional, dona do capital financeiro, ainda mais aperfeiçoada em seus mecanismos de dominação do que aquela que Wright Mills viu em vida, dita hoje o tom das coisas dentro da política nacional. Mas o que está em jogo aqui não é apenas saber das coisas. Está em jogo algo mais importante, que é a manutenção de um sentimento de esquerda. Tornou-se muito comum entre nós hoje a crítica interna a esquerda, nem sempre bem intencionada. Não basta dizer onde erramos. É preciso coragem para pensar, se posicionar com respeito a opiniões alheias e simplesmente se assumir como de esquerda.

Não estou pensando aqui simplesmente na unificação de partidos. Caso Lula não concorra, algum candidato terá que herdar o seu lugar, de seu partido ou não, mas não deverá fazer isso sozinho. Deverá representar, ao lado de milhões de pessoas de esquerda, muitas delas sendo aquelas que foram às ruas desde 2013, um verdadeiro espírito de esquerda. É este que poderá manter acesa a chama da esperança para a retomada da reconstrução de nosso Estado democrático de direito e de bem-estar social. Para grandes teóricos como T. Marshall e Robert Castel, em momentos distintos da história, este foi o único caminho para a construção de sociedades igualitárias, com exceção de experiências diretamente socialistas como a de Cuba, um país pequeno, cuja história e complexidade não se podem comparar com a brasileira.

O espírito de esquerda, assim, independente do vulto de pessoas que formalmente o representam, precisa prevalecer ao desespero e à adesão afetiva à triste figura de Bolsonaro. Mais uma vez, não se trata de especificidade brasileira. Os teóricos da primeira geração da escola de Frankfurt, como Adorno e Horkheimer, já se preocupavam com a “personalidade autoritária”, cuja adesão, ao mesmo tempo afetiva, “psicológica” e “racional”, interesseira, como brilhantemente explica adorno em um pequeno texto chamado “Observações sobre política e neurose”, não explica apenas a adesão a Hitler, mas também a Donald Trump nos dias de hoje e a muitos outros na história. No Brasil, o machismo e a memória militarista são apenas um tempero maligno neste tipo de “psicologia social das massas”, que expressa muito mais uma impaciência política e uma ausência de reflexão do que a sustentação de um projeto de nação para todos.


Se o espírito de esquerda vai prevalecer, não sabemos. O fato é que este ano promete. A melhor postura, diante de tudo, talvez seja a busca ainda mais profunda pela reflexão, pela tolerância, pelo respeito e pelo convívio afetuoso. Sim, estas são virtudes necessárias na esfera pública e na política. Inclusive, elas podem ser bons temperos na construção de um espírito de esquerda. Uma boa consequência disso pode ser uma decisão serena nas urnas. Que assim  seja!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Nova classe no Velho mundo

Recentemente, o sociólogo Jessé Souza, da Universidade Federal de Juiz de Fora, junto com colaboradores, lançou um livro intitulado 'Os Batalhadores Brasileiros - nova classe média ou nova classe trabalhadora, pela editora da UFMG. Nele, os pesquisadores apresentam o resultado de uma pesquisa sobre uma fração crescente da sociedade brasileira, que não é nem a ralé estrutural desempregada, nem a classe média tradicional, ocupada em profissões liberais. Esta fatia da população, heterogenea e crescente nos últimos dez anos no Brasil, já tem sido definida por intelectuais brasileiros como uma 'nova classe média', ou 'classe C', em termos economicos. Após pesquisa realizada nas cinco regiões brasileiras com vários perfis desta parte da população, como feirantes, profissionais do telemarketing, pequenos comerciantes urbanos formais e informais, bem como pequenos produtores rurais, o grupo convencionou definir tal fração social como uma 'nova classe trabalhadora', e chamá-la pelo nome que a própria sociedade a confere, ou seja, como 'batalhadores'.

Estas pessoas se definem por uma ética do trabalho duro e pela origem geralmente de família pobre, com pouco ou nenhum estudo formal, porém portando algum saber prático para o trabalho, geralmente aprendido na família. O discurso liberal na esfera pública brasileira já se apropria do crescimento desta nova classe para legitimar o crescimento economico do Brasil no cenário mundial da última década. Entretanto, a mesma pesquisa mostra que a vida dura levada por tais pessoas, ainda que adiram a certos estilos de vida e consumo típicos de classe média, aponta para uma instabilidade social pouco alterada pelo crescimento economico brasileiro.

Esta nova classe trabalhadora não é homogenea como a antiga classe trabalhadora do fordista, encontrada facilmente dentro das fábricas e indústrias. Atualmente, o capitalismo é cada vez mais informatizado e informalizado, o que faz crescer suas frações fora da fábrica, através da terceirização de mão de obra e da iniciativa de pequenos empreendimentos por parte de batalhadores que apresentam capacidade prática e inteligencia para o trabalho autonomo. A informalidade não é novidade em países da periferia do capitalismo, como Brasil e México. Atualmente, porém, ela cresce em quantidade e em significado. A nova classe trabalhadora é um fenomeno mundial, não apenas periférico, atualmente.

Em Freiburg, cidade pequena do sul da Alemanha, pude ver parte dela principalmente em dezembro, quando é montada uma feira de pequenos comércios no centro da cidade, na qual pode-se ver a produção artesanal e a comercialização de produtos alimentícios diversos, a maioria típicos da região, bem como a produção de artesanatos do vestuário, dentre outros.

Também na Alsácia, território frances, pode-se ver o mesmo fenomeno, em feira um pouco maiores e mais heterogeneas, nas quais os trabalhadores geralmente são famílias que possuem uma íntima relação com seu produto, desde sua origem como sua especificidade. A questão interessante que mereceria uma investigação melhor é em que medida a nova classe trabalhadora no velho mundo difere em qualidade de vida e em estabilidade social e política da nova classe trabalhadora na periferia, cuja citada pesquisa já apontou para uma estabilidade social relativa, em tempos de instabilidade economica, ainda que se celebre o crescimento economico do Brasil como Estado nacional.

Crescimento economico não significa desenvolvimento social, e ainda não é possível afirmar que, mesmo diante do argumento de um certo declínio da economia européia, a qualidade de vida por aqui tenha decaído. A primeira impressão por aqui, que pode estar equivocada, é a de que toda família tem dignidade e qualidade de vida, o que se define por condições básicas de moradia, alimentação e estudos para os filhos, algo que os batalhadores na periferia ainda estão buscando as duras penas. Qualquer comparação do tipo precisa considerar a diferença entre condição economica e qualidade de vida.

sábado, 1 de janeiro de 2011

Meu casaco de europeu

Num belo dia, vc percebe que não é mais criança. Que seus passos são um pouco mais firmes. Que já não pode ter mais medo de certas coisas. Quando eu visto meu casaco negro, tudo se transforma. Não se brinca com estética no velho mundo. O feminismo causou alguns estragos aqui. Salvo as evidentes transformações na hierarquia entre os generos e a inserção crescente das mulheres em melhores lugares na dimensão da produção, o que resta é estranho.

Como o mundo não é divido em nações, mas em classes, é apenas uma questão de tempo que certos comportamentos pós-vanguarda 68 se tornem padrão em um país como o Brasil. A classe média das grandes capitais brasileiras já se torna suporte deles. As cores cinzentas, típicas de civilizações que vivem a maior parte de seu tempo no frio, como percebeu há tempo Gilberto Freyre, não impede que as pessoas aqui tenham sentimentos e emoções fortes. É possível sentir o calor humano no frio. É preciso se proteger do frio, mas não do calor das pessoas.

Entretanto, todos temos nossas avaliações sobre os outros. Alguns mitos do nacionalismo metodológico dominante nas ciencias sociais começam a cair por terra, quando observamos com calma a rotina e o comportamento do povo alemão. Numa cidade pequena como Freiburg, há pessoas de várias origens culturais. O contato inter cultural inicial suscita algumas questões curiosas. É difícil não ser identificado com o samba quando se diz que se é do Rio de Janeiro. Logo, visto meu casaco de europeu. Eles também sambam, ainda que com muita roupa, e eu gosto de rock.

Outro dia alguém me pediu pra tocar um beatles no violão, e depois 'garota de ipanema'. Fiquei devendo a segunda e não faço questão de pagar. Este nacionalismo não vale a pena. Apenas representa a elite tupiniquim em todo o seu particularismo. Logo, visto meu casaco de europeu.

No contato entre os generos, talvez consigamos enxergar ainda mais certos mitos. A sexualidade brasileira é exaltada como mais despojada e feliz. Prato cheio para o estigma da animalidade. Não é difícil ver por aqui a animalidade humana em sua dimensão mais primitiva, a do amor, em plena evidencia. Entretanto, um dos mitos do nacionalismo nos diz que isso é peculiaridade dos trópicos. Logo, visto meu casaco de europeu.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

ATO 1 - parte 2

as vezes é preciso por um freio em si mesmo.
não se pode desafiar a si próprio.

as vezes, é preciso aceitar que seu maior inimigo é vc.
que vc nunca descobrirá seus próprios limites.
que nunca vencerá todas as dificuldades.

que uma parte de vc sempre negará tudo o que vc faz.
que vários tempos habitam em vc.

aquele rosto sem barba ainda expressava a ausencia da verdade.

- conhecereis a verdade, e ela vos libertará.

- eu disse que não ia funcionar.

- o que importa é vc.

anos depois.

- eu quase morri. pelos cantos. por voce. quando te perdi, me entregava a todos como se fossem vc.

- não sabe como é difícil ouvir isso.

- como eu queria que fosse o primeiro.

as duas rodas conduziam aquele momento da vida.

girando, como a vida, em momentos.

a roupa de academia definia a mesma beleza.

o carro velho amigo.

conduziu ao que não aconteceu.

o apartamento estranho, aquelas bebidas, tudo novo demais.

- vc me despertou. eu me dou bem com ele. mas vc...

inimigo dos penteados, amigo da vaidade, sem jeito com ambos.
entonar a voz é algo que passa.

a imagem foi melhor do que a imaginação.




terça-feira, 14 de dezembro de 2010

ATO 1 - parte 1

num belo dia, voce percebe que o tempo está passando

e que ele te controlou mais do que vc a ele.

aquele cabelo molhado, encaracolado, com cheiro de creme barato,

aquela pele de adolescente, o vestido de tecido barato, porém bem costurado.

- onde está meu livro / interrogação /.

- molhou.

- como / /

um sorriso sacana, inocente, o mesmo de sempre.

as paredes da sacristia ainda são as mesmas.

testemunhas mudas do sentimento de outrora.

aquela voz sempre foi única.

- vc estuda engraçado.

- ah é, sei lá.

o batismo seria o começo de tudo, mas não foi.

um dia especial. água fria em espírito quente. e como fervia.

algum tempo depois - 'sinto o sangue ferver, mais quente do que antes'

'sinto a veia pulsar, mais forte que outrora'.

o poder mostrou seu local no poder local.

a outra força se foi.

o computador quebrado, agora, não é mais do que a vida.

- vc é um rapaz zeloso.

- levamos culpa sem vantagem.

o espírito não era menos ébrio do que agora.

ainda que o corpo fosse mais puro.

-fiquem tranquilos, eu trarei comida p vcs.

- deus te abençoe, não temos como agradecer.

- agradeçam a ele.

o onibus velho daquela velha cidade foi o palco.

um toque de mãos e corações cheios.

os mesmos que o tempo, dono da história, haveria de esvaziar.

várias caminhadas pelo mesmo lugar.

não chegaram mesmo ao lugar.

- ele sempre sentava ao seu lado.

- ai que raiva.